perito-criminal-assume-superintendencia-de-policia-tecnico-cientifica-no-es

Renato Koscky Junior é o primeiro perito criminal da história do Espírito Santo que assume o cargo de Superintendente da SPTC. A nomeação foi publicada no Diário Oficial do Espírito Santo. O Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol/ES) parabeniza Renato e todos os peritos capixabas. O Sindipol/ES entende que a nomeação de um técnico na SPTC é um avanço.

Pela primeira vez o superintendente da SPTC é um perito oficial criminal. Para o Sindipol/ES, a chegada de um profissional especializado para o setor é um avanço na autonomia administrativa da Superintendência. A chegada de Renato Koscky Junior segue o posicionamento de algumas Polícias Técnico-Científicas do Brasil e dá novo fôlego para um departamento importante da PC/ES.

“É um passo importante para a Polícia Civil, por isso, fazemos questão de parabenizar nosso colega Renato Koscky Junior. Como a única organização sindical que representa toda categoria Policial Civil, acreditamos que a nomeação foi um avanço em busca da autonomia administrativa da SPTC, já que agora temos um profissional especializado na Superintendência”, frisou Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.
Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

 

DESAFIOS

O perito criminal Renato Koscky Junior assume a Superintendência de Polícia Técnico-Científica em meio a uma crise sem precedentes na Polícia Civil capixaba. De acordo com levantamentos realizados pelo Sindicato dos Policiais Civis e pelo Conselho Nacional do Ministério Público, faltam policiais para trabalhar nas delegacias e muitas unidades estão sucateadas de Norte a Sul do estado, o que compromete os serviços prestados a população.

Na SPTC, por exemplo, a defasagem no quadro operacional pode chegar a 80%. Apesar da reformulação na PC/ES anunciada pelo atual Governo Estadual, o Sindipol/ES acredita que falta uma política de Estado para segurança pública, o que é bem diferente de uma política de governo. Para o Sindipol/ES, muita coisa ainda precisa mudar.

“Precisamos que o Governo valorize nossos profissionais, ativos e inativos. Hoje, a Polícia Civil do Espírito Santo necessita de investimentos e de políticas públicas estruturantes. Planejamentos que invistam no aparelhamento e em recursos materiais e humanos. Só assim teremos uma Polícia Civil eficaz e cidadã no Estado”, ponderou o presidente do Sindipol/ES.

Como única e legítima organização sindical reconhecida por lei para representar TODA categoria POLICIAL CIVIL, o Sindipol/ES reforça que a POLÍCIA CIVIL capixaba é formada por profissionais da atividade de polícia judiciária e regida por uma lei orgânica que é o estatuto dos policiais civis (Lei 3.400/81), que são divididos em cargos e atribuições, todas de alta complexidade e importância e ninguém está acima dos princípios das leis que regem as competências e atribuições civis e jurídicas da instituição.

O Sindicato dos Policiais Civis parabeniza o novo Superintendente de Polícia Técnico-Científica e se coloca a disposição do perito oficial criminal Renato Koscky Junior para ajudar no que for necessário.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!