governo-abandona-sede-da-policia-civil-e-paga-mais-r-30-mil-no-aluguel-de-imovel-em-cachoeiro-de-itapemirim

Moradores reclamam que imóvel alugado fica distante do centro da cidade, o que dificulta o acesso aos serviços oferecidos na delegacia. Há cinco anos o Governo prometeu construir uma sede nova para a Polícia Civil, mas a obra não saiu do papel.

A sede da delegacia de Cachoeiro de Itapemirim foi desapropriada em setembro de 2013. No ano seguinte, o antigo prédio da delegacia foi demolido. O motivo foram as péssimas condições do imóvel que estava com janelas quebradas, com materiais apreendidos sucateados e lixo acumulado. Hoje, o terreno onde deveria funcionar a delegacia regional está abandonado, tomado pelo mato.

CUSTO ALTO PARA PAGAR ALUGUEL DE IMÓVEL REVOLTA MORADORES

A obra para a construção da nova unidade policial vai custar R$ 6 milhões de reais aos cofres públicos. Enquanto a nova delegacia de Cachoeiro não sai do papel e das promessas de campanhas políticas, a Polícia Civil está funcionando em um imóvel alugado, onde o Governo capixaba paga R$ 32 mil reais por mês.

Nesta terça-feira (28), a equipe de reportagem da TV Gazeta Sul ouviu a opinião dos moradores da cidade. Muitos reclamaram da distância da atual Sede da Polícia Civil e disseram também que o dinheiro gasto no aluguel poderia ter sido investido na construção da nova unidade.  Clique aqui e assista a reportagem.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo segue cobrando do Governo capixaba valorização e melhores condições de trabalho para os profissionais da Polícia Civil.

“É uma luta incansável diante de um Governo intransigente. Essas políticas públicas paliativas para segurança pública levaram a Polícia Civil ao colapso. A situação de Cachoeiro não é exclusividade.  E, infelizmente, em ano eleitoral, só agora é que o dinheiro aparece, mas pouco ou nada se pode fazer efetivamente em virtude da escassez do tempo e dos impedimentos legais. A Polícia Civil é um dos pilares do sistema de segurança pública e lamentamos que a instituição tenha chegado nesse ponto por ingerência”, pontuou Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

 
JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!!