crise-no-es-mais-de-20-carros-foram-roubados-por-dia-nos-primeiros-seis-meses-de-2018

Mais de 3.800 veículos foram furtados ou roubados no primeiro semestre em todo estado. Números representam avanço da criminalidade e a ineficiência das políticas públicas de segurança do Governo.

“Perdeu! Passa a chave e sai do carro”. Geralmente, é assim que bandidos abordam suas vítimas para roubar veículos no Espírito Santo. Os dados mostram que frases como essas se repetiram inúmeras vezes em 2018. Pelo menos, 3.857 vezes para ser mais preciso, número que corresponde aos registros de furtos e roubos de veículos no Estado.  

Foram 3.112 crimes só na Grande Vitória, 1.296 casos de furtos e 1.816 de roubos. Os crimes muitas vezes acontecem da mesma forma: bandidos armados circulam pelas ruas e agem sempre na companhia de um comparsa, buscando um o alvo mais vulnerável.

“As ocorrências de assaltos se tornaram frequentes e os criminosos estão mais ousados e agressivos. Até atiram e matam suas vítimas para roubar. Os capixabas estão assustados, reféns dessa violência dentro de casa devido ao clima de insegurança”, disse o presidente do Sindipol/Es, Jorge Emílio Leal.

Em agosto desse ano, o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo divulgou um levantamento que mostrou um forte aumento do número de furtos e roubos de veículos em 2017. O estudo do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostrou em o Estado registrou 4.286 crimes a mais comparando com 2016. As informações do primeiro semestre de 2018 não são animadoras. Os números até junho já superam a metade do total de crimes do ano de 2016 (6.502 ocorrências). Veja.

REDUÇÃO?

Apesar dos capixabas sentirem no dia-a-dia o crescimento da violência e da insegurança, o secretário de Segurança Pública, Nylton Rodrigues, disse que os índices de furtos e roubos estão diminuindo.

Segundo o secretário, entre janeiro e setembro deste ano, se for comparado com o mesmo período de 2017, a redução de furtos e roubos de veículos chega a 44%. Entretanto, ano passado os policiais militares ficaram aquartelados e longe das ruas grande parte do mês de fevereiro, o que ocasionou uma explosão no número de crimes. Para o Sindipol/ES, a falta de investigação também colabora para a o avanço da criminalidade.

“Sem investigação os bandidos não penas acham, mas têm a certeza da impunidade. Diversas delegacias em condições precárias e funcionando com o número mínimo de policiais. São profissionais que se comprometeram a defender a sociedade capixaba, mas amargam uma frustração por estarem sobrecarregados e desvalorizados em unidades completamente sucateadas. A situação está crítica. É ilusão afirmar que os índices estão diminuindo. Nós reiteramos que essa crise é fruto da ausência de investimentos e das políticas de massacre das forças policiais e dos operadores da segurança pública”, concluiu o presidente do Sindipol/ES.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS