com-risco-de-desabamento-delegacia-de-antissequestro-e-interditada

“A Polícia Civil capixaba pede socorro”. A frase do presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES), Jorge Emílio Leal, retrata exatamente o momento vivido pela instituição. Desde o início do mês, a Delegacia de Antissequestro de Vitória foi interditada com risco de desabamento.

O prédio tem 90 dias, contando desde o dia 1º, para ser desocupado, pois apresenta graves falhas estruturais que colocam em risco a vida dos 11 profissionais que atuam no local e de toda a população que o procura em busca de atendimento.

O espaço possui ao todo três andares e todos apresentam rachaduras. De acordo com o laudo da Defesa Civil, os ambientes do subsolo estão com afundamento, tanto no piso interno quanto na área externa. Ainda de acordo com o documento, os fundos da unidade já estão sendo afetados pelo mar. Os muros laterais apresentam problemas de verticalidade.  Os tetos estão mofados, além disso, em algumas salas, o reboco já até caiu.

Há vários anos, a Diretoria do Sindipol/ES tem inspecionado delegacias de norte a sul do Estado e constatado as situações. O Sindicato entregou ao Ministério Público do Trabalho (MPT), um dossiê com 100 páginas, incluindo fotos, que revelam as péssimas condições das DP´S. A partir daí, foi criada uma Força-Tarefa para avaliar a situação de unidades policiais capixabas.

Na Delegacia de Antissequestro, o MPT solicitou uma vistoria e constatou que não há condições de trabalho. O Governo do Estado sabia dos riscos desde 2015, mas de lá pra cá, os problemas só aumentaram e nada foi feito.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SESP), foi publicado um chamamento para que seja alugado um novo imóvel. A expectativa é de que o processo seja concluído antes do dia 1º de Fevereiro, término do prazo estipulado pela Defesa Civil.

Perto da DP de Antissequestro, milhões jogados fora

No mesmo bairro onde funciona a delegacia de polícia, um verdadeiro “elefante branco”. O Cais das Artes, obra iniciada em 2010 e que já custou mais de R$ 126 milhões aos cofres públicos, sequer foi terminado. Com esse dinheiro, dezenas de delegacias poderiam ser reformadas e construídas.

“Isso é uma vergonha. Com esse dinheiro, dezenas de novas delegacias poderiam ser construídas, reformas poderiam acontecer. Enquanto gastam dinheiro com verdadeiros elefantes brancos, os policiais civis e a sociedade ficam prejudicados. Hoje, as delegacias do Espírito Santo não têm condições estruturais para o trabalho dos nossos profissionais, prejudicando e muito no atendimento a população. A Polícia Civil capixaba pede socorro”, aponta Jorge Emílio.

*Foto/MP

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS