delegado-jose-darcy-arruda-sera-o-novo-chefe-da-policia-civil-do-es

O anúncio foi feito na manhã da última quinta-feira (22) pelo governador eleito Renato Casagrande, durante uma transmissão ao vivo. Especialista em segurança pública e direito penal, o delegado da Polícia Civil (PC/ES), José Darcy Arruda, assumirá o cargo de Chefe de Polícia a partir do dia primeiro de janeiro do próximo ano.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) na pessoa do seu presidente, Jorge Emílio Leal, a Associação dos Agentes de Polícia (Agenpol), na pessoa do seu presidente Paulo Pignaton e a Associação dos Escrivães (Aepes) com seu presidente Thomaz Altoé, parabenizam o novo chefe de polícia e desejam sorte nesta nova empreitada.

José Darcy Arruda

Arruda é atualmente superintendente de Polícia Especializada e professor da Academia de Polícia do Estado (Acadepol). Ao longo da sua vida profissional já chefiou o departamento da polícia judiciária de Vitória, Guarapari e Cachoeiro de Itapemirim, foi chefe de gabinete, e corregedor geral da PC/ES.

Ainda durante a transmissão, Casagrande aproveitou para anunciar o Coronel Barreto, ao comando da Polícia Militar (PM/ES), e o Coronel Aguiar, que vai assumir a chefia da Casa Militar.

“O delegado Arruda é um excelente profissional, amigo da categoria policial civil, especialista e qualificado para o comando da PC/ES. Nós o conhecemos e ficamos felizes com a sua indicação para o cargo”, disse, Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES
Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES

DESAFIOS

Atualmente a segurança pública no Estado enfrenta enormes desafios. Falta tudo. Desde recursos materiais a humanos. No caso da Polícia Civil, por exemplo, as delegacias estão sucateadas, o efetivo está defasado, desvalorizado e tanto a população quanto os policiais sofrem com o descaso.

Já o quadro efetivo da PC/ES em comparação ao crescimento populacional, só diminuiu. No último levantamento, o Sindicato constatou que o efetivo dos policiais não chega a 2 mil profissionais. É uma defasagem de cerca de 60%.  

“A atual situação da segurança no ES é de calamidade e os novos integrantes do comando da segurança pública vão encontrar muitas dificuldades. Nós esperamos que eles consigam corresponder aos anseios dos profissionais de segurança pública e de toda sociedade capixaba que hoje sofre com a ausência de políticas públicas estruturantes”, finalizou o presidente do Sindipol/ES.

Foto: G1/ES

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS