por-falta-de-efetivo-nas-delegacias-populacao-fica-sem-atendimento-no-es

Com a falta de investimentos na Polícia Civil, a sociedade é a maior prejudicada. No último domingo (09), a situação foi evidenciada mais uma vez. Quem procurou por atendimento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vitória e na Delegacia Regional de Serra teve que voltar para casa, pois não havia delegado no local. O motivo? A grave falta de efetivo na PC/ES.

Há anos, o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) tem denunciado a situação. O presidente, Jorge Emílio Leal, aponta que a instituição Polícia Civil está a beira do colapso e que o fato ocorrido é inadmissível e lamentável.

“A situação é lamentável. Hoje, temos poucos policiais civis que inclusive se desdobram e se doam ao máximo, tendo que fazer mais do que uma função, para poder garantir o serviço. Mesmo assim, a quantidade de efetivo é vexatória. A população não pode “pagar o pato” da ausência de investimentos de um Governo que só visou enfraquecer a Polícia Civil”, disse.

Em abril, a mesma delegacia regional de Serra, por falta de efetivo, já havia ficado fechada por cerca de seis horas.

Situação encontrada em todo Estado

Além da Grande Vitória, unidades policiais no interior do Estado também sofrem com a ausência de policiais. O SML de Cachoeiro de Itapemirim, por exemplo, não está realizando atendimento as quintas-feiras. Isso porque o Médico Legista tirou suas férias, um direito do trabalhador, e nenhum outro profissional foi designado para cobrir. Veja a matéria.

Levantamento do Sindipol/ES mostra defasem na PC/ES

Oficialmente, a Polícia Civil do Espírito Santo conta com 2.160 policiais trabalhando de Norte a Sul do Estado. Entretanto, levando em consideração que 22 servidores foram cedidos por outra instituição, 37 são policiais aposentados que aderiram ao Serviço Voluntário e voltaram ao trabalho com limitações operacionais, e 194 são estagiários, a Polícia Civil possui apenas 1.907 policiais civis na ativa para combater e investigar crimes.

Em 1996, o número de policiais civis era 3.821 mil e o de habitantes 2.790.206 milhões. A última estimativa do IBGE feita para 2017 aponta o Estado com cerca de 4.016.356 milhões de habitantes. Ou seja, houve crescimento populacional e uma redução no número de policiais civis.

“Isso explica esse caos na segurança e mostra que Segurança Pública não é prioridade para o atual Governo. Um fato lamentável, pois, faltam recursos mínimos para garantir a segurança da população, faltam policiais nas delegacias para investigar tantos crimes. Precisamos urgentemente de uma política de estado realmente efetiva e estruturante, que conceda condições básicas de forma integral e não paliativa. Precisamos de concursos públicos urgentemente”, disse Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS