vida-que-inspira-conheca-a-historia-de-superacao-de-dalva-alves

Muitas vezes, esquecemos que os momentos difíceis fazem parte da vida e precisamos que alguém lembre a gente que logo irão passar. Mas, quando esse conselho vem pelo exemplo, costumamos acreditar mais, não é mesmo?

Nascida em Feira de Santana, na Bahia, e diagnosticada com câncer duas vezes a história de superação da nobre sindicalizada e aposentada, Dalva Alves de Alcantara Antunes é um desses exemplos e por isso ela é a escolhida de hoje da série “Perfil do Aposentado”.

Aprovada no concurso público de 1986 no cargo de auxiliar de perícia médico legal, Dalva que por muitos anos viveu as dificuldades da vida da forma mais intensa, conseguiu tornar os seus sonhos realidade e reconstruir a sua vida por meio de muito trabalho e dos estudos.

O resultado de todo o seu esforço não poderia ter sido mais compensador. Além de passar na PC/ES, instituição que sempre sonhou, ela também conquistou a aprovação em outros concursos. E o apoio de amigos, foi fundamental para que a nobre guerreira alcançasse o sonho de ingressar na instituição na qual ela considera o seu porto seguro:

“Ser aprovada no concurso público da Polícia Civil e tomar posse foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida e da minha família, foi como se eu acertasse sozinha na mega-sena. A PC/ES é o meu porto seguro aqui na terra”, disse.  

Diagnosticada com câncer,  as limitações da doença foram superadas pela nobre guerreira que em 2016, após voltar aos estudos, se formou novamente no curso técnico e, hoje, aproveita a vida ao lado dos amigos e familiares. “Passeio, curto muito minha família e já estou com duas viagens marcadas. Vou sendo feliz a cada dia, como se fosse o último”, disse.

Ao todo, a nobre sindicalizada soma quase 30 anos de experiência na carreira policial e mesmo aposentada esteve junto com o Sindipol/ES em Brasília lutando pelos direitos da sociedade e contra a reforma da previdência.

Entre as várias ações de defesa da população, Dalva destacou o homicídio de um bebê que foi espancado até a morte pelo pai. “Espancaram a criança até a morte e inventaram várias desculpas, mas o meu ‘alerta’ como policial disparou e consegui decifrar com a ajuda de alguns colegas o que realmente tinha acontecido”, disse.

O presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal, falou um pouco sobre a nobre guerreira:

“Dalva é uma grande amiga e muito guerreira, sempre presente nas lutas. Tenho muito honra em conhecê-la e principalmente ser um amigo”, disse.


JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS