nota-de-esclarecimento

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) vem a público esclarecer os questionamentos feitos pelo candidato a presidente da Chapa 2.

Sobre o vídeo divulgado no final de semana, a diretoria do sindicato esclarece que:

No dia 10 de junho, a categoria votou em assembleia e definiu as regras da Eleição do Sindipol/ES. Foram os policiais sindicalizados que escolheram os membros da comissão eleitoral e votaram artigo por artigo o regimento eleitoral. Tudo foi devidamente informado. Veja a matéria.

Cabe ainda esclarecer que, conforme as regras definidas em assembleia, o período de inscrição das chapas foi de 12 a 14 de junho, porém, devido as manifestações contra o governo em todo o país, o prazo foi prorrogado pela Comissão Eleitoral até o dia 17 de junho.  A prorrogação das inscrições também foi noticiada. Veja aqui.

As alterações estatutárias, debatidas e aprovadas durante o VIII Congresso do Sindipol/ES também estão sendo alvo de críticas e chamadas de “manobras” para dificultar o processo democrático das eleições.  O Sindicato reitera que a atualização do Estatuto foi aprovada pela categoria e não houve nenhuma alteração no capítulo que trata sobre eleição. 

É importante frisar que o dispositivo que exigia que o diretor regional trabalhasse na respectiva regional foi flexibilizado para que policiais que já passaram pela unidade ou possuem vínculo consigam se candidatar para o cargo, ou seja, a nova regra facilita a escolha dos membros da chapa.

Veja a matéria e consulte o novo estatuto.

Sobre processo judicial contra a diretoria, o Sindipol/ES esclarece que esse é o risco assumido pelos dirigentes sindicais que defendem os interesses da categoria. Afinal, todos que se colocam à disposição para defender os sindicalizados sofrem represálias.

Esclarece ainda que não procede a informação que o Sindipol/ES foi condenado a pagar R$ 100 mil ao  SINDEPES-ES. A verdade é que nesta Ação o sindicato foi condenado a pagar um percentual sobre o valor da causa que é infinitamente menor que o alegado.

Por último, a diretoria do sindicato deixa claro que jamais deixou de apoiar o reconhecimento do nível superior para os agentes de Polícia, pelo contrário, a diretoria está em sintonia e tem o apoio da Associação dos Agentes (Agenpol). O nível superior para os agentes de Polícia sempre esteve entre as reivindicações entregues aos secretários de segurança e governadores do estado. Inclusive, também foi citado na mesa de negociação com o governador Renato Casagrande. Sindipol/ES, Agenpol e Aepes estavam presentes na reunião com Casagrande representando os policiais civis capixabas, comprovando a união das organizações sindicais. Veja aqui.

O Sindipol/ES destaca ainda que, ao contrário do que tem sido afirmado, nos últimos anos a categoria obteve conquistas, mesmo com uma crise política e econômica que desestabilizou o país. O reconhecimento da aposentadoria especial, a incorporação das 12 horas, as mudanças no sistema de promoção e na tabela de subsídio, a concessão do terreno da Sede Administrativa e Recreativa por mais 20 anos, a reforma das unidades policiais, bem como a recente vitória na justiça da Ação de Contingenciamento são apenas alguns exemplos dos avanços conquistados pela atual diretoria do Sindipol/ES.

“Estamos em período eleitoral e, é natural que ocorra propaganda das Chapas que estão disputando o pleito. No entanto, é inaceitável que se faça campanha com informações falsas, arbitrárias e fraudulentas com o objetivo apenas de angariar votos e deslegitimar os concorrentes. Isso não é democracia”, disse Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS