4h-de-viagem-policiais-de-santa-leopoldina-precisam-ir-ate-cachoeiro-para-registrar-ocorrencias

O município de Santa Leopoldina possui um valor histórico para o Espírito Santo, mas toda essa importância não é levada em consideração quando o assunto é a segurança pública na cidade.

A Delegacia da região conta com quatro policiais civis, sendo três investigadores e um escrivão. Aos finais de semana, quando alguém é preso, eles precisam viajar por quatro horas, as vezes até após o expediente, para a 7ª Delegacia Regional de Cachoeiro.

O motivo é que a unidade pertence a 12ª Regional de Santa Teresa, mas como na prática ela não possui estrutura para funcionar com plantão 24h, os policiais precisam se deslocar até a cidade de Cachoeiro para registrar as diligências.

Com uma população estimada em mais de 12 mil habitantes, o município não possui delegado titular e conta com um policial para cada três mil habitantes que sofrem com os deslocamentos dos profissionais para outra região.

“É inacreditável. Os policiais precisam se deslocar por horas quando na verdade, as ocorrências, por exemplo, poderiam ser registradas na regional de Cariacica que fica há apenas 30KM da cidade. Além do desgaste do policial tem também as despesas desnecessárias. Além disso, a cidade fica sem viatura e sem policiamento nesse período”, disse o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal.

Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES
Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES

CONDIÇÕES PRECÁRIAS

Em 2017, a Regional de Santa Leopoldina foi inspecionada pela atual diretoria do Sindipol/ES, que registrou a falta de estrutura na unidade como paredes mofadas, telhado com infiltração, com telhas podres e caindo aos pedaços.

Além disso, as janelas laterais e nos fundos estavam sem grades, o que deixava os policiais ironicamente sem segurança. Outro problema encontrado durante a inspeção sindical foi a falta de um espaço adequado para guardar os veículos e materiais apreendidos.

“A situação da DP de Santa Leopoldina é um absurdo. A categoria policial e a sociedade não podem pagar o preço pela falta de investimentos do Governo que desidratou as forças de segurança nos últimos anos. Nossos guerreiros estão se desdobrando para prestar um serviço de qualidade à população e estão sendo prejudicados pelo descaso”, finalizou o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS