governo-capixaba-quer-rever-aposentadoria-de-servidores-publicos

O governador Casagrande propõe que ao invés de se afastar imediatamente após solicitar aposentadoria, o servidor público, se concordar, continue trabalhando até que o benefício seja concedido. O Sindipol/ES acredita que antes de tomar qualquer decisão, os servidores devem buscar orientação no Departamento Jurídico do sindicato.

Hoje, o policial civil ao requerer a aposentadoria é afastado automaticamente das suas atividades. No período de afastamento, o policial segue recebendo normalmente, mas o governo não pode contratar ou chamar aprovados em concursos para assumir a vaga até que o processo, que pode demorar até um ano, ser totalmente concluído.

Com a aprovação do projeto, o policial civil que entrar com o pedido no Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (IPAJM poderá continuar trabalhando, se estiver de acordo, com suas atividades e recebendo normalmente. Caso não tenha interesse, o policial continua podendo optar pelo afastamento imediato até que o processo seja encerrado e a aposentadoria aprovada pelo IPAJM.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, Jorge Emílio Leal, disse que nesse momento é importante que os colegas policiais busquem orientação no Departamento Jurídico do Sindipol/ES.

“O policial deve analisar a situação e estar atento aos seus direitos para evitar perdas significativas na aposentadoria. Por isso, os sindicalizados que estejam pensando em solicitar a aposentadoria podem entrar em contato com Departamento Jurídico do Sindipol e marcar um atendimento para avaliar o seu caso. Uma aposentadoria baixa é prejuízo para o resto da vida”, disse Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

O projeto que adia em alguns meses a aposentadoria dos servidores públicos capixabas foi enviada na última terça-feira (16) à Assembleia Legislativa.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS