populacao-volta-a-criticar-falta-de-policiais-e-de-delegacias-no-es

Por causa da defasagem no quadro operacional da PC/ES, do fechamento e da mudança de várias delegacias, vítimas de crimes se queixam da falta de investigação e da dificuldade para registrar uma ocorrência.

O portal de notícias A Gazeta fez um levantamento com base nos dados do site da Transparência do Governo e divulgou que, atualmente, a Polícia Civil do Espírito Santo está funcionando com pouco mais da metade dos servidores. De acordo com o site, dos 3.821 policiais civis previstos, apenas 2.082 estão na ativa, o que corresponde 54,48%. 

Para o Sindipol/ES, os números divulgados não são novidade e também não espantam, já que o último levantamento feito pela própria diretoria do sindicato apontou uma defasagem no quadro operacional da PC/ES superior a 60%. De acordo com o presidente do Sindipol/ES, Aloísio Fajardo, a defasagem atinge vários cargos. 

“Acompanhamos de perto essa falta de policiais e sempre informamos ao governo as consequências dessa defasagem. São muitos anos sem concurso público e muitos policiais se aposentaram ou se afastaram por motivos de saúde. Isso prejudica o serviço prestado a população capixaba e colabora para a impunidade de criminosos, já que, com poucos policiais, a Polícia Civil não consegue investigar e prender tantos bandidos”, pontuou Aloísio Fajardo, presidente do Sindipol/ES.

Em 2017, seis delegacias foram fechadas em menos de quatro meses pelo estado. Em 2018, nos primeiros seis meses, o Espírito Santo já registrava uma média de 20 roubos de carros por dia. Até outubro do ano passado, as estatísticas indicavam que uma pessoa estava sendo roubada ou furtada a cada 20 minutos. Em dezembro de 2018, o Espírito Santo atingiu a triste marca de 10 policiais civis assassinados e oito feridos em cinco anos.

Na semana passada, moradores e comerciantes de Jacaraípe, em Serra, reclamaram na imprensa da delegacia do bairro que só funciona em horário comercial, das 8h, às 18h. Em meio a uma guerra de traficantes, em 2019 moradores do morro da Boa Vista, em Vila Velha, pediram a reativação da delegacia de São Torquato. Pedidos que se multiplicam pelo Espírito Santo.

“A verdade é que o governo não consegue manter as delegacias abertas por motivos específicos. O primeiro motivo é a falta de policiais. O segundo é a falta de estrutura das unidades da PC/ES. Muitas delegacias estão literalmente caindo aos pedaços. Ironicamente, causam risco aos policiais e aos próprios cidadãos. É necessária uma mudança urgente. Sem a Polícia Civil não tem investigação e sem investigação criminosos ficam impunes”, disse Clóvis Guioto, vice-presidente do Sindipol/ES.

“FORÇA, UNIÃO E LUTA”