departamento-juridico-do-sindipol-continua-funcionando

Durante esse o período de isolamento social, as sedes administrativa e recreativa do Sindipol/ES não estão funcionando, porém, os advogados do Departamento Jurídico continuam atendendo e tirando dúvidas dos sindicalizados.

Pensando na continuidade do trabalho e entendendo a importância do serviço prestado ao policial civil sindicalizado, mesmo com a suspensão das atividades no Sindicato dos Policiais Civis, o Departamento Jurídico continuou funcionando. No período de expediente normal, ou seja, de segunda-feira a sexta-feira, das 09 às 17 horas, é possível ter contato com os advogados do Sindipol/ES pelo telefone (27) 99950-1844. Os atendimentos são feitos por telefone ou por WhatsApp.

De acordo com Rodrigo Nascimento, coordenador do Departamento Jurídico do Sindicato, as atividades do Judiciário continuam afetadas pela pandemia. Por enquanto, os processos físicos continuam suspensos até 15 de maio. Porém, a previsão é que os processos eletrônicos voltem a correr no próximo dia 4 de maio.

“O departamento Jurídico está atendendo de forma remota, por telefone ou por WhatsApp. Atendendo as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, estamos evitando aglomeração e contato pessoal, mas não deixamos de prestar esse importante serviço para o policial sindicalizados da ativa, aos aposentados e pensionistas”, explicou Rodrigo Nascimento, coordenador do Departamento Jurídico do Sindipol/ES.

Para o presidente do Sindicato, Aloísio Fajardo, a disponibilidade do corpo jurídico do Sindipol/ES mesmo com a pandemia mostra o comprometimento com o policial civil.

“Mesmo com as sedes administrativa e recreativa fechadas continuamos trabalhando. Nossa diretoria está participando de campanhas de vacinação contra a gripe com doses exclusivas para nossa categoria e, assim, minimizando os impactos da pandemia, e segue acompanhando as políticas para a segurança pública com o avanço do novo coronavírus. Nosso Departamento Jurídico também está atuante. É uma fase difícil, mas nenhum policial civil ficará sem o apoio do Sindipol”, disse Aloísio Fajardo.

FORÇA, UNIÃO E LUTA