sindipol-cobra-numero-de-policiais-infectados-e-pede-hpm-para-profissionais-de-seguranca

A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo pediu ao governo que todos os profissionais de segurança sejam tratados da COVID-19 no Hospital da Polícia Militar (HPM). O Sindipol/ES também pediu oficialmente o número de policiais civis infectados pelo novo coronavírus no estado.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) aguarda a resposta da Secretaria de Segurança, de Saúde e da Polícia Civil. Na quinta-feira (30/04), com urgência, o Sindipol/ES pediu oficialmente ao governo informações para saber quantos profissionais, por cargo, foram infectados pelo novo coronavírus.

“Queremos transparência nos números. Sabendo quantos policiais estão infectados e onde eles trabalham, podemos prestar o devido auxílio. Sabemos que essa é uma doença solitária. O paciente fica isolado e a família também. Queremos ajudar com o que for possível”, explicou o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, Aloísio Fajardo.

HPM COMO REFERÊNCIA PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA

IMG_6755
Presidente do Sindipol/ES defende atendimento para profissionais de segurança pública no HPM.

Com o agravamento da pandemia de coronavírus, o Sindicato dos Policiais também pediu ao secretário de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, que o Hospital da Polícia Militar disponibilize um espaço para atender os profissionais de segurança diagnosticados ou com suspeita da doença.  

De acordo com o presidente do Sindipol/ES, assim como profissionais de saúde e outras categorias, os profissionais de segurança pública também não pararam e estão trabalhando em regiões com altos índices de contágio.

“Os profissionais de segurança pública também estão na frente de batalha contra o coronavírus, trabalhando em ambientes insalubres e tendo contato com pessoas do grupo de risco, o que aumento a possibilidade de contágio. Na verdade, faz tempo que o Sindipol/ES pede ao estado que os profissionais de segurança sejam atendidos no HPM. Isso se torna ainda mais necessário nesse momento de pandemia”, disse Aloísio Fajardo.

FORÇA, UNIÃO E LUTA