nota-de-repudio-a-granada-no-bolso-do-inimigo

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo vem a público repudiar mais uma decisão do presidente Jair Bolsonaro para congelar os salários dos policiais civis de todo o Brasil até o final de 2021, e a forma ingrata e cruel que o ministro Paulo Guedes se referiu aos servidores públicos de todo o país. 

“E é nessa confusão toda, que todo mundo tá achando que tá distraído, abraçaram a gente, rolaram com a gente, nós já botamos a granada no bolso do inimigo. Dois anos sem aumento de salário”, disse o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes.

A fala lamentável do ministro Paulo Guedes, se referindo aos servidores públicos brasileiros como inimigos, foi durante a reunião ministerial que veio a público por ordem do STF. A reunião é parte da investigação que apura a suposta intervenção política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Para o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) é triste saber que um governo eleito com apoio em massa dos profissionais de segurança, que defendeu durante as eleições a valorização, o respeito e os direitos dos policiais, tenha se revelado um governo tão desonesto com a nossa categoria.  

O presidente Jair Bolsonaro vetou a proposta que já havia sido aprovada pelo Congresso Nacional de não congelar os salários de profissionais da segurança, da saúde, da assistência social, entre outras categorias envolvidas diretamente no combate à Covid-19. Atitude que demonstra mais uma vez que nós, policiais civis, não temos o respeito do Governo Federal.

Como última possibilidade, o Sindipol/ES, a COBRAPOL e várias organizações sindicais esperam que a decisão do presidente Bolsonaro seja derrubada no Congresso e no Senado. As entidades acreditam que a exclusão das categorias que estão na linha de frente no combate a mais grave crise sanitária do país não representa qualquer benefício ou favorecimento, é o reconhecimento do risco diário no exercício das profissões de áreas essenciais, e a pandemia ainda apresenta uma curva crescente em todo o Brasil.

43 policiais civis apresentaram sintomas da Covid-19 e foram afastados do trabalho no Espírito Santo. A Polícia Civil capixaba ainda investiga 28 casos, 15 já foram confirmados. Caso o Congresso Nacional não consiga derrubar o veto do presidente, o Sindipol/ES e a COBRAPOL pretendem ingressar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade de alguns dispositivos da lei proposta por Bolsonaro.

FORÇA, UNIÃO E LUTA