delegacias-importantes-da-serra-estao-funcionando-em-locais-inadequados

Quatro delegacias importantes para o município mais populoso e violento do Espírito Santo foram transferidas e os novos locais são inadequados e não oferecem condições mínimas de trabalho. Tem delegacia funcionando até na garagem de outra delegacia na Serra.

As unidades policiais de André Carloni e Serra Sede agora estão funcionando na 3ª Regional, em Laranjeiras. A delegacia de Laranjeiras é pequena e já não comporta a demanda registrada diariamente. A 3ª Delegacia Regional de Serra é uma das que mais registra ocorrências em todo estado. O local funciona em horário administrativo e de plantão. Com poucos policiais, existe uma forte sobrecarga de trabalho para os profissionais. O espaço que já não era suficiente ficou ainda pior com a chegada das outras duas delegacias. A solução para a falta de espaço foi desativar o alojamento dos policiais plantonistas.

Outra unidade policial que mudou de endereço foi a Delegacia da Mulher. A delegacia especializada da Serra antes ficava em Laranjeiras, mas foi deslocada para o bairro Jardim Carapina. Está funcionando em parte de um prédio do Detran.

Delegacia em garagem

A Delegacia de Novo Horizonte foi outra transferida. Responsável pelo atendimento de 31 bairros, ela é uma das mais movimentadas de todo município, mas agora o atendimento ao público ocorre na garagem da unidade policial de Jacaraípe. Um espaço completamente inapropriado para atender a população e para os policiais atuarem.

Na delegacia de Jacaraípe, o ar condicionado não funciona, a estrutura elétrica é precária e o sistema de internet estava preparado para atender apenas uma unidade policial. Como hoje duas delegacias estão na unidade de Jacaraípe, o sistema de navegação fica sobrecarregado e atrasa o registro de boletins de ocorrência. Por exemplo, uma ocorrência que demora em média cinco minutos para ser registrada, agora é feita em 20.

Além de tudo isso, agora, outro problema para quem depende da delegacia de Novo Horizonte é a distância. As comunidades atendidas pela unidade policial terão que percorrer, no mínimo, 15 km até Jacaraípe.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES), Jorge Emílio Leal, a situação é um total desrespeito com os profissionais da polícia judiciária e com a população.

Risco de outras transferências

Outras duas unidades policiais correm o risco serem transferidas em 2017. São elas: a Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) e a Delegacia de Entorpecentes (Deten)

“Essa dura realidade dos policiais civis capixabas é resultado da péssima política governamental para a segurança pública. As adversidades vão da falta de recurso material a humano. A categoria tem sofrido com a desvalorização, usurpação e desvio de função. Nessa situação, o policial civil fica cada vez mais prejudicado e sua saúde também é afetada”, disse, Jorge Emílio Leal.

Entenda o caso

A Polícia Civil possui oito delegacias na Serra, mas apenas duas estão em prédios próprios: a 3ª Delegacia Regional e a Delegacia de Jacaraípe. As outras seis eram alugadas. Os aluguéis eram pagos pela Prefeitura da Serra.

Mas em agosto de 2016, a prefeitura de Serra disse ao Governo que não teria condições de pagar os aluguéis e o Governo do Estado não tomou nenhuma providência.

O custo era de R$ 25 mil por mês. Bem inferior ao que foi gasto pelo Governo do Estado com outros serviços. Saiba mais.

O Sindicato dos Policiais Civis vai denunciar a situação das delegacias da Serra.

“Prejudicar os policiais para cortar gastos é um desrespeito ao profissional e à sociedade. Vamos oficiar todos órgãos competentes, a Sesp, ao Ministério Público e a Chefia de Polícia para acabar com essa situação de calamidade”, completou, Aloísio Fajardo, diretor do Sindipol/ES.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS