aglutinacao-dp-de-jacaraipedp-de-novo-horizonte

Atualmente, no imóvel do Distrito Policial de Jacaraípe também funciona o Distrito Policial de Novo Horizonte. Apesar das instalações físicas não serem das piores, o espaço é muito pequeno e a sobrecarga de trabalho é enorme para acomodar duas unidades policiais no mesmo ambiente.

Duas delegacias… 300 mil habitantes!

A Delegacia de Polícia de Jacaraípe é responsável por atender uma circunscrição que compõe 24 bairros, totalizando 150 mil habitantes, em média.

De outro lado, a DP de Novo Horizonte comporta a totalidade de 27 bairros em sua circunscrição, com população também de 150 mil, aproximadamente.

Efetivo defasado

O Distrito de Jacaraípe tem o efetivo composto por um delegado (que também responde por Novo Horizonte); dois escrivães e três agentes/ investigadores. Já Novo horizonte possui dois agentes/investigadores.  

Desse total de oito policiais, dois ficam no cartório (PCEP) e outros dois (PCAP/PCIP) são responsáveis pelo atendimento ao público das duas unidades. Três policiais atendem as diligências externas, como cumprimento de mandado de prisão, intimação, investigações preliminares de 51 bairros das circunscrições que compõem as delegacias.

Sobrecarga de trabalho

DP Jacaraípe:
*500 Boletins de Ocorrência (em média)
*39 Inquéritos Policiais instaurados
*350 Inquéritos Policiais em tramitação

DP Novo Horizonte:
*470 Boletins de Ocorrência (em média)
*40 Inquéritos Policiais instaurados
*450 Inquéritos Policiais em tramitação

“As condições da unidade de Jacaraípe e Novo Horizonte, em termos de efetivo policial e sobrecarga de trabalho enfrentada diariamente são desumanas, diante do quadro de tantas adversidades acumuladas, em razão do descaso e da omissão do poder publico, haja vista a ausência de concurso público para recomposição do efetivo policial”, disse o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal.

“Se por outro lado, a decisão equivocada e política recentemente anunciada pelo STF entendeu que a polícia não pode parar, é por que aquela Egrégia Suprema Corte não tem conhecimento que a polícia civil do Espírito Santo já está parada há muito, por falta de condições mínimas de trabalho”, concluiu Jorge Emílio.

Por sua vez, o Sindicato dos Servidores Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) irá adotar as medidas cabíveis junto ao Poder Público fiscalizador para alcançar uma Polícia que respeita a dignidade da pessoa humana, mais eficaz e eficiente.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!