pesquisa-so-reforca-brasileiros-exigem-investimentos-em-seguranca-publica

A pesquisa de opinião realizada pelo Instituto Datafolha apontou que 96% da população entende que é necessário investir em segurança pública e que os governos precisam se unir para diminuir o crime e a violência no Brasil.

De acordo com a pesquisa, apesar da falta de investimentos e da crise vivida pelas instituições, inclusive no Espírito Santo, as Polícias Civil e Militar são as principais responsáveis pela segurança pública no país. As entrevistas na pesquisa foram feitas com adultos em 150 municípios de pequeno, médio e grande porte.

VIOLÊNCIA AVANÇA

50 milhões de pessoas disseram possuir um amigo, parente ou alguém próximo que foi vítima de homicídio ou latrocínio. 94% dos brasileiros abordados na pesquisa acreditam que o nível de mortes violentas no país é alto ou muito alto. O percentual cresce para 96%, quando os entrevistados afirmam que os governos precisam se unir para combater o crime e a violência. A pesquisa também abordou outros aspectos.

RELAÇÃO COM A VIOLÊNCIA

Os resultados da pesquisa revelam informações surpreendentes. Entre adolescentes e jovens de 16 a 24 anos, 16 milhões de pessoas disseram que já foram ameaçados de morte (homicídio). 4%, entre 4,9 e 7,5 milhões de pessoas já sofreram ferimento por arma de fogo. 23,8 milhões de pessoas têm algum parente, amigo ou conhecido desaparecido.

OPINIÃO

78% da população acredita que, quanto mais armas em circulação, mais mortes teremos no país. 64% da população reconhece que as maiores vítimas da violência no Brasil são jovens, negros e do sexo masculino.

Mais da metade, 56% dos entrevistados disseram que, em situações de confronto, as polícias podem ocupar sem autorização judicial residências localizadas em favelas, ocupações e comunidades para enfrentar o crime organizado. 93% afirmaram que a polícia deve preservar a vida acima de tudo.

Pesquisa Datafolha completa. CLIQUE AQUI.

ESPÍRITO SANTO

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) entende que o estado passa por uma crise na segurança pública que foi anunciada. Faz tempo que o Sindipol/ES alerta e cobra do governo investimento e valorização ao policial civil capixaba.

No Espírito Santo, faltam policiais nas delegacias pela ausência de concurso público. As unidades policiais estão em péssimas condições e os poucos profissionais sobrecarregados com uma demanda que só cresce. Os policiais civis capixabas estão sem direitos trabalhistas garantidos por lei, como a data base, reflexos da crise gerada na segurança pela precarização do serviço público.

Leia também: EM MENOS DE 4 MESES, 6 DELEGACIAS SÃO FECHADAS NO ES

MORTÔMETRO: CENTENAS DE POLICIAIS JÁ FORAM MORTOS EM 2017

O presidente do Sindipol/ES e vice-presidente da Cobrapol/ES, Jorge Emílio Leal, explicou que a Polícia Civil possui um papel fundamental no sistema de segurança pública. Jorge Emílio também é especialista em inteligência em segurança pública.

“Temos policiais desmotivados e sobrecarregados de trabalho nas delegacias. Por isso, muitos crimes deixam de ser desvendados no estado. Os policiais estão sem estrutura, sem condições dignas de trabalho e nossos equipamentos de proteção são muito inferiores ao dos criminosos, o que agrava ainda mais a situação”, disse.

“A polícia judiciaria operacionaliza o sistema de justiça criminal. É a polícia judiciaria que apura infrações penais, que elucida crimes e prende criminosos. Ela também recebe casos de várias outras instituições, como PM, PRF e PF, por exemplo. Praticamente tudo passa pela polícia judiciária, menos investimento”, completou, Jorge Emílio.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!!