a-reforma-que-o-brasil-nao-precisa

Reforma da previdência: querem te empurrar goela abaixo

Nesta segunda – feira (18), com a argumentação de “debater” a Reforma da Previdência, o Deputado Federal Lelo Coimbra e a Rede Gazeta realizaram um evento para tentar convencer um pequeno grupo de pessoas mediante argumentos tendenciosos sobre a previdência social e seu pseudo prejuízo.

Todavia, durante o encontro não houve debate algum. A palavra não foi aberta aos presentes que só puderam encaminhar perguntas por escrito, que eram apresentadas pelos patrocinadores do evento com seu único ponto de vista, favorável ao governo, grande empresariado, banqueiros e investidores, beneficiados diretos da reforma.

No entanto, esse evento unilateral e antidemocrático não conseguiu fixar seu posicionamento a plateia que se manifestou por diversas vezes contrária às argumentações da mesa. Discursos que mais se aproximavam de falácias grosseiras que desviavam de uma discussão democrática a respeito de um tema tão importante como a reforma e a corrupção institucionalizada no país.

O que é debate?

Trata-se de uma discussão de duas ou mais pessoas com objetivo de expor e esclarecer opiniões ou ideias diferentes. Em tese, são espaços onde pessoas com pontos de vistas opostos argumentam e esclarecem suas dúvidas. No entanto, a definição passou longe do ocorrido nesta segunda – feira (18).

Sindicatos presentes

   reforma 1

Na defesa dos direitos dos trabalhadores, o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) e o Sindijuciário estiveram presentes no evento e questionaram por escrito todas as “verdades” absolutas e as argumentações falaciosas com objetivo de esclarecer vários pontos não aplicados nessa apresentação unilateral denominada “debate”.

Os sindicatos confrontaram a particularização da previdência dentro do sistema geral de seguridade social, a Desvinculação de Receitas da União (DRU), o interesse direto de empresas sonegadores na causa, corrupção econômica institucionalizada no país, etc.

O Sindipol/ES e o Sindijudicíario fecharam questão de que o trabalhador brasileiro não deve pagar o pato da corrupção dessa classe política no Brasil que acharcam os cofres públicos e prejudicam as políticas públicas e as garantias constitucionais do cidadão.

reforma 5

Ainda nesse evento unilateral, os sindicatos apresentaram faixas de resistência contra a retirada dos direitos dos trabalhadores por parte desse governo. Neste momento, é preciso união contra o massacre do trabalhador em virtude da retirada de seus direitos. Se necessário, o Sindipol/ES vai até Brasília manifestar mais uma vez contra esse desgoverno.

Durante o “debate” os presentes bradaram gritos de guerra como: “Fora Temer”, “Fora Lelo”, “Fora todos os corruptos” e “Nenhum direito a menos”.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS