estado-tem-30-dias-para-responder-relatorio-sobre-a-situacao-da-regional-de-linhares

A audiência aconteceu na última quarta-feira (11), no município de Colatina, e contou com a participação de representantes do Sindipol/ES, do Governo e do judiciário capixaba. A decisão é resultado do trabalho do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo na luta por melhores condições para toda categoria.

Durante a sessão foi apresentado um relatório da Secretaria de Saúde do município de Linhares, constatando que a 16ª Regional não possui condições mínimas de trabalho. No documento consta que o governo deve corrigir as instalações elétricas, colocar bebedouro no andar superior, resolver a situação do mofo que se encontra na delegacia, adequar o local para refeição, colocar extintores e consertar as cadeiras.

O Estado solicitou um prazo de 30 dias para responder o relatório da Secretaria. No mesmo prazo, o Governo deverá responder sobre a situação dos carros e veículos apreendidos que estão amontoados na Regional.

Participaram da audiência o diretor do Sindipol/ES Átila Mendes, o coordenador jurídico do Sindicato, Dr. Rodrigo Nascimento, o procurador do trabalho, Dr. Marcos Mauro Rodrigues Buzato e o delegado Walter Emilino Barcelos.

Luta sindical

A realização da audiência é resultado da iniciativa da diretoria do Sindipol/ES em realizar inspeções sindicais em todo estado.  Desde então, o Ministério Público do Trabalho (MPT) instaurou procedimentos para averiguar a situação de 38 delegacias capixabas.

Os inquéritos foram baseados no dossiê feito pelo Sindicato que contém mais de 100 páginas com fotos, registro de reportagens feitas pela imprensa capixaba e relatos dos próprios policiais.

O presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal, afirma que a luta não irá parar.

“Vamos continuar buscando condições dignas de trabalho para todos os policiais civis. A atual situação das unidades policiais capixabas é inadmissível. Esperamos que a resposta do estado seja positiva. Como organização sindical, vamos lutar até que todos nossos direitos e prerrogativas sejam respeitados, na busca por uma polícia civil cada vez mais eficaz e cidadã”.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS