a-seguranca-publica-em-maos-delicadas-e-com-pulso-firme-o-verdadeiro-papel-da-mulher-na-atual-conjuntura-da-seguranca-publica-do-espirito-santo

Em um mundo com tantas inovações digitais e com tantas desmistificações de padrões porque não abraçar uma mulher como líder máster na área de segurança pública capixaba?

Dizem que a mulher é o sexo frágil, porém o que muito se tem ouvido falar nas mídias é sobre o domínio das mulheres em posições estratégicas na estrutura da Administração Pública.

mileip ipajmNuma sociedade, diga-se de passagem, machista, tais padrões estão caindo por terra, e assim a mulher tem desempenhado cada vez mais papeis importantes nas decisões das diversas esferas públicas. Ilustram bem essa nova realidade pessoas como a Presidente do Supremo Tribunal Federal Ministra Carmem Lúcia, a Procuradora Geral da República Raquel Dodge entre outras de destaque neste vasto cenário.

A mulher brasileira tem se abrilhantado neste campo estreito e preconceituoso pelo seu dinamismo, dedicação e pelo seu compromisso com uma postura positiva nas decisões colegiadas, e assim vem vencendo e derrubando barreiras, preconceitos e discriminações de toda estirpe em todos os segmentos sociais.

Por sua vez, a atual liderança do nosso Estado não tem dado o merecido espaço às mulheres capixabas para ocuparem cargos do alto comando, e nem sequer ventila nomes de mulheres que desempenham excelentes papéis na atual conjuntura esfacelada em que se encontra a segurança pública de nosso Estado.

As polícias capixabas possuem mulheres com nomes de peso para gerir com pulsos fortes e firmes a pasta da segurança, porém essas mulheres guerreiras não são lembradas como deveriam, pela nobreza de seu caráter e força do seu ser.

jorgeNoutra senda, nossos gestores optam por profissionais de outros Estados, em geral do sexo masculino, que não conhecem as realidades e especificidades de nossa terra e de nossa gente, fato este que agrava ainda mais o papel da mulher na sociedade brasileira e em especial capixaba, sob esta ótica estrábica que não reconhece a igualdade de direitos entre homens e mulheres nessa prática equivocada.

São motivos suficientes e razões sóbrias pelas quais concluímos que as mulheres não devem ser alijadas deste processo, muito menos esquecidas ou subestimadas por personalidades retrógradas que utilizam de métodos e ações dignas dos séculos das trevas em dinastias passadas. Por isso mulheres, vamos à luta!

Jorge Emílio Leal é especialista em inteligência de segurança pública, Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo e Vice-presidente da Confederação Brasileira dos Policiais Civis.

Humberto Mileip é especialista em Criminologia, Vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis do ES e Diretor da Confederação Brasileira dos Policiais Civis.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!!