governo-do-es-e-investigado-por-divulgar-pesquisas-falsas

A Polícia Federal deu início a “Operação Voto Limpo” que tem o objetivo de combater o chamado “Fake News” no processo eleitoral deste ano. O Governo do Espírito Santo é um dos investigados. Pesquisas tidas como falsas apontam para vitória de Paulo Hartung nas eleições de 2018.

Mas o que é Fake News? Fake News é um termo norte americano para se referir as falsas notícias criadas e divulgadas através dos meios de comunicação.  

Governo do ES investigado

A PF identificou a partir de uma denúncia, duas supostas pesquisas eleitorais espalhadas no Whatsapp e no site “Capixabão.com” que apontavam para uma vitória do atual Governador do Estado. Nas “pesquisas”, Hartung aparece com 39% dos votos contra 30% de Renato Casagrande.

Em entrevista coletiva, o delegado da Polícia Federal Vitor Moraes afirmou que o investigado por ter divulgado e realizado a pesquisa é servidor do atual Governo.

“O responsável pela propagação das fake news além de ocupar um cargo no governo, escrevia uma coluna de cunho político no tal site. Era uma coluna periódica, sem remuneração, que procurava ser tendenciosa aos benefícios do governador”, disse.

Para o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) a situação é uma vergonha e se o Governo for de fato o culpado e as pesquisas forem falsas, todos os dados sejam eles de homicídios, furtos e roubos e crimes patrimoniais divulgados pelo Estado serão ao menos duvidosos, conforme o Sindicato já vem mostrando há algum tempo.

Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES
Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES

“É lamentável que isso ocorra. Essas pesquisas só tem o objetivo de influenciar o eleitor a votar em quem está na frente. Precisamos de pesquisas sérias. As chamadas fake news só tendem a prejudicar a população e se de fato isso for uma obra do nosso governo é uma vergonha que deve ser punida. Não podemos aceitar mais esse descalabro governamental que tem massacrado o servidor público capixaba”, disse, Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

Outra situação bastante estranha é a participação de gente ligada ao escândalo de fake news de forma direta ou indireta, junto aos responsáveis pelas apurações. Veja.

Será que isso pode comprometer a credibilidade de potenciais investigações? Será que pode haver uma forma de tentativa de interferência na investigação?

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS

 

*Fonte: Folha de São Paulo.