familia-nilton-e-jones-dois-guerreiros-da-pces

Pai, filho e uma história na defesa da sociedade capixaba. O investigador aposentado Nilton Silva e o escrivão Jones Sérgio do Nascimento são os guerreiros de hoje na série perfil do sindicalizado.

Nilton ingressou na Polícia Civil no ano de 1981. Naquela época os policiais ainda trabalhavam nos chamados presídios. De lá, atuou também nas delegacias de Aracruz, Baixo Guandu e Colatina, onde se aposentou no ano de 2003.

Em sua visita ao Sindipol/ES, nesta quarta-feira (11), ele contou um pouco sobre sua carreira.

“Ingressei na polícia há mais de 30 anos. Na época ainda trabalhávamos nos presídios, depois passei por outras delegacias e desde então estou aposentado. Tive o prazer de trabalhar junto com meu filho”, conta.

O diretor dos aposentados Edimar Vieira comentou a visita. “Estamos sempre buscando valorizar nossos aposentados. É muito legal quando eles visitam o Sindipol/ES que é a casa do sindicalizado”. O diretor Átila Mendes também fez questão de parabenizar os dois policiais. “São duas gerações de policiais. Colatina e região devem se orgulhar desses dois valorosos colatinenses pelos excelentes serviços prestados a população durante quase 40 anos”.

E o amor a Polícia Civil passou de forma hereditária. 10 anos depois de Nilton entrar na PC/ES, foi à vez de seu filho Jones Sérgio ingressar na instituição. Seu primeiro cargo foi de Identificador Datiloscopista. Cinco anos depois, foi aprovado no concurso para Escrivão de Polícia, função que ocupa até hoje.

Jones (esq.) e Nilton (dir.), dois policiais civis sindicalizados.
Jones (esq.) e Nilton (dir.), dois policiais civis sindicalizados.

Seguindo os passos do pai, Jones também atuou nas delegacias de Baixo Guandu, Vitória e na Regional de Colatina, onde está até hoje.

Já imaginou trabalhar com o pai e prender um dos principais traficantes do estado? Nilton e Jones passaram por essa experiência. Eles atuaram juntos nas unidades de Colatina e Baixo Guandu.

“Lembro de um caso quando trabalhamos juntos em Colatina, acho que em 1999. Fomos prender um traficante famoso na região chamado Roberto da CB400. Tivemos sucesso na operação, o prendemos e apreendemos quase um quilo de cocaína. Fizemos várias operações juntos, foram muitas experiências”, disse, Jones.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, Jorge Emílio Leal, é uma honra ter esses guerreiros como sindicalizados.

“Pessoas como o Nilton e o Jones só engrandecem a Polícia Civil. É muito legal quando encontramos uma família de policiais civis. Gostaria de parabeniza-los por esses anos de serviço prestado à sociedade”, disse.

 

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS