ministerio-publico-cria-nucleo-de-controle-externo-da-atividade-policial-no-espirito-santo

 

O núcleo do Ministério Publico capixaba vai fiscalizar à atuação das forças de segurança pública no estado. A criação do Núcleo de Controle externo da Atividade Policial (NCAP) foi publicado no diário oficial desta quarta-feira (02/05). O Sindicato dos Policias Civis (Sindipol/ES) aprova a iniciativa, mas acredita que é necessário cobrar mais fiscalização nos investimentos do Governo nas instituições policiais, em especial na Polícia Civil.

De acordo com a publicação do Diário Oficial, o NCAP terá atuação em todo o Espírito Santo e será composto por membros indicados pelo Procurador-Geral de Justiça. O Núcleo terá apoio dos Centros de Apoio Operacionais, dos Grupos Especiais de Trabalho, da Assessoria Militar, do Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro – LABT e outros órgãos que compõem ou venham a compor o MPES.

Para o Ministério Público capixaba, a criação do Núcleo é para fomentar, auxiliar, fiscalizar e executar, supletivamente, o exercício da atividade policial prestadas à sociedade. Significa que o Núcleo vai fiscalizar o trabalho das Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e das Guardas Civis Municipais.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) acredita que toda iniciativa visando uma melhor prestação de serviço a população é bem-vinda, porém, o presidente Jorge Emílio Leal lembra que também é necessário fiscalizar a estrutura, os recursos humanos (efetivo) e materiais, os investimentos mínimos para o funcionamento da polícia judiciaria estadual no âmbito da segurança pública.

“E isso é mais urgente na nossa visão. Acreditamos que o MP-ES também deve fiscalizar os investimentos feitos pelo Governo nas instituições policiais do nosso estado. A Polícia Civil sofre com a ausência de recursos. Delegacias estão sendo fechadas e estão funcionando sem o número mínimo de policiais. O número de policiais civis no Espírito Santo não acompanhou o crescimento populacional. Hoje temos uma defasagem superior a 60%, chega a 80% na Superintendência de Polícia Técnico-Científica (SPTC)”, explicou.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo segue cobrando mais investimentos e valorização para os profissionais da segurança pública. Para o Sindipol/ES, mais importante que fiscalizar as Polícias é investir em infraestrutura para as instituições oferecerem um serviço digno do valor dos impostos pagos pela sociedade.

“Nós somos agentes públicos e o serviço que oferecemos precisa ser de excelência. Somos pagos pelo cidadão que, muitas vezes, não enxergam o investimento em impostos sendo revertido em qualidade no funcionalismo público”, pontou Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

 

Clique aqui e veja o Diário Oficil.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!!