espirito-santo-registrou-29-furtos-ou-roubos-de-veiculos-por-dia-em-2017

Levantamento registrado no Anuário Brasileiro de Segurança Pública reforça situação denunciada pelo Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES): sem investimentos em segurança pública e uma política realmente estruturante, a criminalidade cresce desenfreadamente.

Os números foram publicados pela Edição 2018 do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. De acordo com a pesquisa, no Espírito Santo, em 2017, ocorreram aproximadamente 10.788 roubos ou furtos de veículos. São 4.286 crimes a mais que o ano anterior, o que equivale a 65% de crescimento. Em 2016, o estado registrou o total 6.502 de furtos e roubos de veículos.

O Anuário também revelou que o número de veículos roubados, ou seja, tomados de seus donos por bandidos, foi maior que a quantidade de furtos; foram 6,079 roubos e 4.709 foram furtados.

A base de dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública compara as informações das polícias e Secretárias de Segurança de todo o país, e, no total, em 2017, o Brasil registou 543 mil veículos roubados ou furtados.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, Jorge Emílio Leal, a situação caótica da segurança pública não só no ES, mas em todo o território nacional está crítica.

“O aumento da criminalidade é o resultado das políticas públicas paliativas e da ausência das políticas realmente estruturantes”, disse.

O QUE DIZ O OUTRO LADO

Na manhã da última segunda-feira (13), o Secretário de Segurança do Estado, Milton Rodrigues, em entrevista, afirmou que o aumento no índice de furtos e roubos de veículos no Espirito Santo é resultado da crise na segurança pública capixaba (fevereiro de 2017) e da crise econômica enfrentada pelo país.

A entrevista do secretário vai totalmente ao encontro das denuncias já realizadas pelo Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES), que tem revelado, desde o inicio da atual gestão, a ausência dos investimentos, a falta de estrutura, de valorização e a redução do efetivo policial. Fatores que impulsionam criminalidade no Estado.

Para o Sindipol/ES, os números só reforçam que o aumento da criminalidade não é somente resultado da paralisação da Polícia Militar em 2017, mas sim, da ineficiência das atuais politicas de segurança.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS