parte-2-entenda-os-motivos-da-crise-na-seguranca-publica-capixaba-em-2018

O Departamento de Comunicação do Sindipol/ES fez um breve resumo dos fatos que marcaram 2018 para explicar alguns motivos que agravaram a crise na segurança pública capixaba. A população do Espírito Santo ainda sofre com a violência por causa da falta de investimentos e planejamento do governo passado.

Apesar do governo anunciar uma drástica redução nos números da violência, a sensação de insegurança cresce entre os capixabas. Segundo dados da Secretaria de Segurança, a Grande Vitória registrou, em 2018, o menor número de homicídios dolosos dos últimos 22 anos. Os números não contabilizam mortes em casos de latrocínio.

Nos primeiros seis meses, uma pessoa foi assaltada ou furtada no estado. Mais de 14 mil pessoas foram vítimas de criminosos e perderam seus pertences. Do total de crimes patrimoniais registrados, 53% aconteceram na Região Metropolitana. Vila Velha apresenta o maior número em todo o estado, foram 2.042 furtos ou roubos até junho na cidade, seguida de perto pelos municípios de Serra (1958), Cariacica (1832) e Vitória (1734). No interior, as cidades do litoral se destacaram. Guarapari registrou 615 crimes, Marataízes 189 e Piúma 178 furtos ou roubos.

NÚMERO DE FURTOS E ROUBOS PODE SER MAIOR

roubo

Além da descrença na Polícia sobre a investigação de crimes rotineiros, as vítimas de roubos nas ruas também encontram dificuldade para registrar ocorrências em todo o estado. Em 2017, em menos de quatro meses, seis delegacias foram fechadas no Espírito Santo. O motivo: falta de policiais.

“Esse é o resultado das políticas de governo que sucatearam as forças policiais no Espírito Santo. Na Polícia Civil, por exemplo, a pessoa assaltada pode até registrar um boletim de ocorrência quando tem o telefone roubado, mas sabe que esse é um crime que ficará impune, que dificilmente será investigado por que não tem policiais e nem equipamentos suficientes nas delegacias para isso”, pontuou Jorge Emílio Leal, presidente do Sindipol/ES.

CRISE NO ES: MAIS DE 20 CARROS FORAM ROUBADOS POR DIA NOS PRIMEIROS SEIS MESES DE 2018

3.857 mil pessoas tiveram seus veículos roubados ou furtados de janeiro a junho de 2018. Foram 3.112 crimes só na Grande Vitória, 1.296 casos de furtos e 1.816 de roubos. Os crimes muitas vezes acontecem da mesma forma: bandidos armados circulam pelas ruas e agem sempre na companhia de um comparsa, buscando um o alvo mais vulnerável.

Veja também:

BANDIDOS OSTENTAM ARMAS NO MEIO DA RUA EM VITÓRIA, CAPITAL DO ES 
FUGA DE DELEGACIA É REFLEXO DA PRECARIZAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL CAPIXABA  

CAPACITAÇÃO DE POLICIAIS CIVISWhatsApp-Image-2018-02-19-at-14.37.40

Com o desinteresse governamental em investir na Polícia Civil para oferecer um serviço de excelência ao cidadão, o Sindipol/ES passou a provocar o estado e oferecer cursos de capacitação aos policiais civis. Conquistas importantes garantiram os direitos e a valorização dos policiais, como treinamentos de tiro com armas de diferentes calibres no estande do sindicato, considerado um dos três melhores do Brasil.

INSALUBRIDADE

Em julho, depois de diversas reivindicações do Sindipol/ES, foi publicado no Diário Oficial o adicional de insalubridade aos policiais civis lotados na Superintendência de Polícia Técnico-Científica – SPTC da PC/ES.

Com isso, policiais civis lotados nos DML´S e SML´S, de acordo com o grau de insalubridade classificado por laudo médico oficial, passaram a receber um adicional de 20% e 40% nos salários. O pagamento do adicional de insalubridade aos policiais civis lotados nos DML´S e SML´S sempre foi pauta permanente da luta do Sindipol/ES que, durante as inspeções realizadas em todo o estado, também cobrou a extensão do adicional de insalubridade aos policiais civis que exerçam a sua função em delegacias com ambientes totalmente insalubres.

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS!!!