vitimas-de-assalto-nao-conseguem-registrar-ocorrencia-em-delegacia-do-es

Pelos menos 20 passageiros foram assaltados dentro de um ônibus do Transcol e não conseguiram registrar um boletim de ocorrência na capital do Espírito Santo. Para o Sindicato dos Policiais Civis essa é mais uma prova da defasagem crescente no quadro operacional da Polícia Civil capixaba.

O caso aconteceu em Vitória no último dia 22 de janeiro. Quatro assaltantes embarcaram no ônibus, roubaram cerca de 20 passageiros e desceram na principal avenida da capital do estado ameaçando o motorista com uma arma de fogo. Uma ação que durou menos de 10 minutos.  O ônibus seguiu para a delegacia de Cariacica, que está em Vila Velha, onde os passageiros não conseguiram registrar o Boletim de Ocorrência.

Os passageiros que foram assaltados não tiveram o Boletim de Ocorrência feito porque, segundo eles, era preciso que eles tivessem o número do IMEI (Identificação Internacional de Equipamento Móvel) dos aparelhos. A Polícia Civil disse, em nota, que Qualquer cidadão que se sinta prejudicado com atendimento pode se encaminhar à Corregedoria e formalizar a denúncia, para que o caso seja analisado.

DEFASAGEM

AloisioPara o Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol/ES), uma das explicações para o que aconteceu é a falta de policiais nas delegacias do estado. Assim como em outras unidades, na delegacia de Vila Velha também é pequeno o número de policiais civis para registrar e apurar tantos crimes.

O levantamento feito pelo Sindicato dos Policiais (Sindipol/ES) apontou uma defasagem superior a 60% no quadro operacional da Polícia Civil, o que compromete diretamente o serviço prestado à população capixaba.

“Temos uma defasagem que supera 60%, isso significa mais de 2 mil policiais a menos no quadro operacional. Compromete diretamente os serviços de investigação que são tão importantes para a elucidação de crimes e punição dos criminosos. Temos visto uma movimentação positiva do atual governador, mas a falta de policiais compromete dia após dia todo o sistema de segurança pública no estado do Espírito Santo. Algo precisa ser feito urgente ”, disse Aloísio Fajardo, presidente do Sindipol/ES. 

 

“FORÇA, UNIÃO E LUTA”