credito-rotativo-sobrecarga-de-trabalho-e-falta-de-servidores-prejudicam-conclusao-da-acao

O Coordenador do Departamento Jurídico do Sindipol/ES, Rodrigo Nascimento, esteve reunido com a Excelentíssima Juíza de Direito Marianne Júdice de Mattos na última quarta-feira (19), que apontou a sobrecarga de trabalho de mais duas ações do Crédito Rotativo de outros Sindicatos e o quadro reduzido de funcionários na Justiça como motivos do atraso para conclusão da ação.

De acordo com a magistrada, a previsão para produzir e enviar todos os ofícios à Procuradoria Geral do Estado do Espírito Santo (PGE) pode chegar até um mês e meio. Após o recebimento de toda documentação, a PGE encaminha parecer à Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo (SEFAZ), que por sua vez, envia a ordem de pagamento ao Banestes que, em conjunto com o Sindipol/ES, elaboram o cronograma para todos os pagamentos. Ao todo, cerca de 2.000 policiais serão contemplados.

Entenda o passo a passo para o pagamento do Crédito Rotativo
JUSTIÇA

É importante esclarecer que a ação judicial do Crédito Rotativo tramita em uma Vara diferente da ação de Contingenciamento, e que a juíza adotou uma outra metodologia no repasse dos valores. No caso do Crédito Rotativo, está sendo produzido a requisição de pequeno valor individualmente, pessoa por pessoa. Saiba mais.

“Após 20 anos de espera, o pagamento do contingenciamento e do rotativo é uma realidade. O Sindicato respeita a forma de atuação do Poder Judiciário, pois tem convicção que a Excelentíssima Drª Marianne Júdice tem ciência do relevo, amplitude da decisão e respeito pela categoria e fará com que concretizemos mais esta vitória para os policiais civis”, disse Dr. Rodrigo.

“Atuamos como se deve atuar em uma ação coletiva, dando total importância e atenção exclusiva com quem está dentro do acordo, preservando aqueles que ainda vão ser incluídos. Todos nós fomos prejudicados nestas ações por atitudes individualistas e que ignoram o coletivo, todavia vencemos. Então, solicito encarecidamente aos amigos policiais civis que acompanham o trabalho sério e responsável que a atual diretoria e o Departamento Jurídico estão desempenhando, como temos verificado nos pagamentos do contingenciamento e nas demais ações que estão por vir; assim, pedimos que ignorem informações das redes sociais que não sejam da única fonte fidedigna que é o seu sindicato, o Sindipol/ES”, afirma o presidente do Sindipol/ES, Aloísio Fajardo.

“FORÇA, UNIÃO E LUTA”