sindipoles-pede-ao-governo-a-suspensao-dos-descontos-de-emprestimos-consignados-do-funcionalismo-publico

Reivindicação é para os policiais civis e demais servidores públicos estaduais. A entidade encaminhou ainda ofícios contendo diversas outras solicitações.

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Espírito Santo (Sindipol/ES) encaminhou ofícios ao Governo em que faz uma série de reivindicações em prol da categoria, neste período em que toda sociedade está voltada para o combate à pandemia do novo coronavírus. Um dos ofícios solicita a suspensão dos descontos referentes aos empréstimos consignados dos servidores públicos estaduais ativos, inativos e pensionistas, vinculados ao Executivo Estadual. Os descontos são feitos em folha de pagamento.

 “Nesse passo, considerando o quadro excepcional, temos que se faz necessária a adoção de novas medidas de enfrentamento à situação econômica ocasionada pela pandemia do novo coronavírus, pelo que vimos pugnar que seja determinada a postergação, por 120 dias, dos descontos em folha de pagamento dos empréstimos consignados dos servidores estaduais (ativos, inativos e pensionistas)”, escreve o presidente do Sindipol, Aloísio Fajardo, deixando claro que o pedido da entidade abrange todo o funcionalismo público estadual em geral.

De acordo com o dirigente classista, essa medida já foi adotada em outros Estados, bem como por bancos públicos (Caixa Econômica Federal): “Estamos certos que a adoção dessa suspensão temporária do desconto não trará prejuízos as instituições financeiras, eis que a suspensão acarretará o acréscimo de parcelas ao final dos contratos”, frisou Aloísio Fajardo.

Segundo o Sindipol, em virtude da pandemia decorrente do Covid-19 que se alastra pelo País, os gestores públicos passaram a adotar medidas com vista em evitar que o sistema de saúde entre em colapso. No Espírito Santo, a primeira medida formal se operou pela edição do Decreto nº 4593-R, publicado na edição de 16 de março de 2020 do Diário Oficial.

“Referido decretado estabeleceu estado de emergência na saúde pública no Estado do Espírito Santo, bem como  determinou a adoção de medidas sanitárias e administrativas para prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos decorrentes do surto de coronavírus (COVID-19). Após mais de um mês da adoção das referidas medidas, temos a preocupação quanto ao momento e forma da retomada das atividades econômicas, com todo o cuidado e respeito às orientações da OMS”, diz Aloísio Fajardo no ofício.

Para o Sindipol, os servidores públicos estaduais também estão sendo afetados, “considerando que não obstante os esforços para manter o pagamento das remunerações regular, as despesas com alimentação, saúde e outros gastos domésticos se elevaram, fazendo com que os custos das famílias também aumentassem significativamente, especialmente diante da defasagem dos salários reconhecida pela atual administração estadual.”

Sindipol cobra também número de policiais infectados pelo coronavírus e pede HPM para profissionais da segurança pública capixaba

A diretoria do Sindipol pediu ao Governo que todos os profissionais de segurança sejam tratados da Covid-19 no Hospital da Polícia Militar (HPM). O Sindipol/ES também pediu oficialmente o número de policiais civis infectados pelo novo coronavírus no Estado.

“Queremos transparência nos números. Sabendo quantos policiais estão infectados e onde eles trabalham, podemos prestar o devido auxílio. Sabemos que essa é uma doença solitária. O paciente fica isolado e a família também. Queremos ajudar com o que for possível”, explicou o presidente do Sindicato, Aloísio Fajardo.

O Sindipol também pediu ao secretário de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, que o HMP disponibilize um espaço para atender os profissionais de segurança diagnosticados ou com suspeita da doença.

De acordo com o presidente do Sindipol/ES, assim como profissionais de saúde e outras categorias, os profissionais de segurança pública também não pararam e estão trabalhando em regiões com altos índices de contágio.

“Os profissionais de segurança pública também estão na frente de batalha contra o coronavírus, trabalhando em ambientes insalubres e tendo contato com pessoas do grupo de risco, o que aumento a possibilidade de contágio. Na verdade, faz tempo que o Sindipol/ES pede ao estado que os profissionais de segurança sejam atendidos no HPM. Isso se torna ainda mais necessário nesse momento de pandemia”, disse Aloísio Fajardo.

Em ofício enviado ao Departamento e Recursos Humanos da Polícia Civil, o Sindipol solicita informações acerca do ciclo promocional atinente aos cargos da PCES neste ano de 2020. O Sindipol pede as relações, por cargo, dos policiais aptos a serem contemplados com a promoção em 2020.

Matéria publica no Blog do Elimar Côrtes

FORÇA, UNIÃO E LUTA!