espirito-santo-pode-chegar-a-400-mortos-por-covid-19-ainda-em-maio

Sindipol/ES pede que policiais civis redobrem as medidas de segurança.

O número de mortos pode chegar a 400 antes mesmo do fim do mês, segundo o subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde.  Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo continua aguardando do governo o número de profissionais infectados pelo coronavírus na Polícia Civil capixaba.

Luiz Carlos Reblin, subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, fez o alerta.  Segundo ele, o Espírito Santo, que até a tarde desta quarta-feira (13) contabilizava mais de 210 mortos, pode chegar a 400 mortos até o dia 20 de maio.

“A gente vê que, infelizmente, os óbitos entraram em uma curva mais considerável. Nos últimos 10 dias, a média era de 10 mortos por dia. Nos últimos três dias, os óbitos saltaram para 15 por dia e 31 estão em investigação nesse momento”, disse.

 A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo reforça os cuidados para a categoria reduzir o risco de contágio nesse momento mais crítico. Apesar de ainda aguardar do governo os números oficiais de policiais infectados pela Covid-19 no estado, o Sindipol/ES pede que os policiais civis façam contato com os diretores por telefone ou pelas redes sociais do Sindicato, caso estejam faltando itens de segurança, como máscara e álcool, por exemplo, nas delegacias.

“Os números de pessoas infectadas pelo coronavírus não param de subir e a previsão no número de mortos é assustadora. Por isso, a gente pede para que o policial civil que está na linha de frente não se exponha ainda mais. Temos que redobrar as medidas de segurança. O policial deve sempre lavar as mãos com água e sabão ou higienizar com álcool, e não pode esquecer de usar máscara também. São medidas necessárias para garantir o mínimo de segurança possível para nossa categoria e para os nossos familiares. O policial que estiver trabalhando sem acesso a esses itens deve comunicar o sindicato”, reforçou Aloísio Fajardo, presidente do Sindipol/ES.

Para minimizar os impactos da pandemia para os policiais civis, o Sindipol/ES realizou algumas ações de prevenção nos últimos meses. Atendendo a pedidos do Sindicato, prefeituras limparam e higienizaram áreas de acesso comum de delegacias. A diretoria também fez doações de álcool em gel, conseguiu doses de vacina contra a gripe exclusivas para a categoria e distribuiu máscaras de proteção, antes mesmo do uso se tornar obrigatório. Além disso, pediu a suspensão dos descontos de empréstimos consignados e que os profissionais de segurança pública tenham atendimento exclusivo no HPM.

No final de abril, o Sindipol/ES enviou um ofício ao governo pedindo os números oficiais de policiais civis infectados pela Covid-19 no Espírito Santo. A informação ainda não foi repassada.  

FORÇA, UNIÃO E LUTA.