espirito-santo-esta-ha-mais-de-dois-meses-sem-feminicidios

Sindipol/ES parabeniza os policiais civis pelo empenho na luta em defesa das mulheres capixabas. O presidente do sindicato dos policiais civis reforça pedido de inclusão da categoria no inquérito sorológico e de atendimento inicial no HPM para policiais civis com sintomas da Covid-19. .

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo,  há mais de 60 dias o estado não registra um feminicídio. De acordo com os dados, desde que o número passou a ser monitorado – em 2016, com a criação da Lei 13.104/2015 (Lei do Feminicídio) no ano anterior –, essa foi a primeira vez que esse resultado aconteceu.

O último caso foi em 28 de março desse ano. No total, são oito casos no ano de 2020, contra 13 nos cinco primeiros meses do ano passado. A redução é de 38,5%. Destaque para a Região Metropolitana, com três casos registrados contra sete em 2019. Uma redução de 57,1%. A região noroeste não apresenta nenhum feminicídio em 2020.

HOMICÍDIO DE MULHERES

Em relação a homicídios de mulheres, em que são incluídas as mortes que não têm como causa a violência doméstica, a redução é de três casos, ou 7,7%, no comparativo com 2019. São 36 mortes esse ano, contra 39 no mesmo período do ano passado.

A maioria dos casos apresenta como motivação o envolvimento com o tráfico de drogas. Em relação a esse dado, todas as regiões do Estado apresentam redução, com exceção da região serrana, que tinha zero casos em 2019 e esse ano tem três, sendo dois feminicídios.

De acordo com os dados do Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) e das delegacias de proteção à mulher, a violência doméstica vem diminuindo no Estado desde o início do mês de abril. De janeiro a abril de 2020 foram 873 ocorrências a menos registradas em delegacias, com a tipificação violência doméstica, 366 acionamentos a menos no Ciodes e 258 denúncias a menos no Disque-Denúncia 181.

Mesmo com a pandemia provocada pela proliferação do novo Coronavírus (Covid), as Delegacias da Mulher não pararam de atender e a Polícia Civil ampliou a Delegacia Online (Deon), para o atendimento a vítimas de violência doméstica. Toda a ocorrência, inclusive com marcação de exames de corpo de delito, pode ser feita pela internet.

Fonte: Sesp

HPM E INQUÉRITO SOROLÓGICO

Foto: PM/ES
Foto: PM/ES

O ofício formalizando e reiterando os pedidos do Sindicato dos Policiais Civis foi enviado ao governo no último dia 28. O Sindipol/ES pede em caráter de urgência que os policiais civis que apresentarem os sintomas da doença recebam o atendimento médico inicial no Hospital da Polícia Militar (HPM).  O Sindipol/ES também cobrou mais transparência com os números de policiais infectados. Na semana passada, a primeira vez que o dado foi divulgado oficialmente, 43 policiais civis já haviam apresentado sintomas da Covid-19 e estavam afastados do trabalho no Espírito Santo. A Polícia Civil capixaba ainda investigava 28 casos, 15 já haviam sido confirmados.

Por isso, além do atendimento no HPM, o Sindipol/ES também pediu que os policiais civis sejam inclusos no inquérito sorológico que está traçando o cenário real do número de infectados pelo novo coronavírus no estado.

FORÇA,UNIÃO E LUTA