lideres-de-sindicatos-da-policia-civil-participam-de-reuniao-em-sao-paulo

Representantes sindicais de grande parte do Brasil estiveram reunidos na última quinta-feira (23) na sede do Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo (SIPESP). O encontro serviu para debater sobre o atual momento da polícia civil brasileira e a necessidade de ações, metas e procedimentos que visem a valorização dos profissionais de segurança pública.

O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) esteve representado pelo presidente, Jorge Emílio Leal, e pelo vice-presidente, Humberto Mileip. Além do anfitrião Sipesp, representado por seu presidente João Batista Rebouças da Silva Neto e sua diretoria, participaram da reunião o Sindicato dos Policiais Civis de Minas Gerais (Sindpol/MG), representado por seu presidente Denilson Martins e sua diretoria, o Sindicato dos Policiais Civis do Rio Grande do Sul (Sinpol/RS), representado por seu presidente Emerson Lopes Ayres, o Sindicato dos Policiais Civis de Santa Catarina (Sinpol/RS), representado por seu presidente Anderson Vieira Amorim e sua diretoria e o Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sindipol/DF), representado pelo diretor Alex Galvão.

emilio sp

A primeira medida adotada durante o encontro foi a confecção da “Carta de São Paulo”. O documento tem o objetivo de convocar todos os policiais civis brasileiros para a “Operação Policial Ocupa Brasília” que será realizada no dia 06 de dezembro de 2017, na capital federal. O movimento busca defender as prerrogativas policiais e lutar contra a retirada de direitos previdenciários promovida pela PEC 287.

Para o presidente do Sindipol/ES a união dos policiais civis brasileiros é extremamente necessária neste momento tão difícil para categoria policial.

“Devemos estar sempre unidos, pois só assim vamos alcançar nossos objetivos na luta contra esse Governo que vem massacrando os servidores públicos. Vamos continuar lutando para garantir que nossos direitos e prerrogativas sejam sempre respeitados. Nenhum direito a menos, vamos à luta”, afirmou, Jorge Emílio Leal.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS