ufes-o-estado-de-abandono-da-universidade-reflete-a-ausencia-de-politicas-publicas

Local onde milhares de brasileiros, entre eles, muitos policiais civis concluíram o seu curso de formação ou pós-graduação, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) tem enfrentado, desde 2014, dificuldades financeiras que comprometem o seu funcionamento.

Quem passa pela Av. Fernando Ferrari e observa o campus de Goiabeiras, percebe o reflexo da falta de recursos financeiros que a Universidade tem enfrentado.

Os serviços de jardinagem, por exemplo, não estão sendo realizados e o mato alto já alcança o vidro das janelas.

Para o Sindicato dos Policiais Civis do Espirito Santo (Sindipol/ES), é triste o estado deficitário em que a Universidade se encontra.

OS CORTES

Em todo o campus, com a redução dos repasses do Governo Federal, a Universidade reduziu os gastos em 50% ou mais em diversas áreas e atividades que comprometeram a compra e manutenção de equipamentos, mão de obra e funcionamento de alguns serviços.

No dia-a-dia, as reclamações mais frequentes são sobre a adoção da politica de contenção de gastos que refletem na falta de limpeza, segurança, abandono das obras de infraestrutura, auxílio estudantil e principalmente o restaurante universitário.

INSEGURANÇA

Outro grave problema que tem chamado à atenção é a falta de segurança dentro do campus da Universidade, em Goiabeiras, como destaca o estudante de Comunicação Social, Jonathan Neves. “A segurança está precária. Faltam vigilantes, iluminação, videomonitoramento e outras medidas que preservem a nossa segurança”, comentou.

Para o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal que é ex-aluno da Ufes, o estado da Universidade é o resultado da politica de desmantelamento dos serviços públicos.

“Assim como acontece na segurança pública, o caso da insegurança na Ufes é reflexo da ausência das politicas públicas estruturantes. Hoje, os gestores realizam uma politica que desvalorizam os serviços prestados a sociedade. Garantir a educação e segurança é um dever dos gestores e um direito dos estudantes”, disse.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS