congresso-nacional-da-feipol-sul-discute-estrategias-para-lei-geral-da-policia-civil

Na última semana, o vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo participou do IV Congresso Nacional da Feipol-Sul. No evento onde foram discutidos importantes assuntos para a categoria, Humberto Mileip representou o Sindipol/ES e a Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol).

O encontro foi realizado em Foz do Iguaçu, no Paraná, e serviu para trocar informações e discutir soluções para o futuro da polícia brasileira que sofre com a ausência de políticas estruturantes.

“Trocando experiências com policiais civis de outros estados, percebemos que não somos os únicos que sofremos com o acúmulo de funções e com a falta de condições de trabalho. Essa é uma realidade nacional. Essa interação nos deixa mais fortes. Aqui, absorvemos experiências bem sucedidas de outros Sindicatos que podemos colocar em prática para cobrar mais valorização para a categoria no Espírito Santo. Todo aprendizado é bem vindo quando a luta é por um serviço público de qualidade”, disse.

Durante o evento, importantes pontos foram discutidos. O destaque ficou por conta da Lei Geral para os policiais civis do Brasil. Foram abordadas estratégias e ações para viabilizar a aprovação do projeto que tem o objetivo de reestruturar as polícias civis do Brasil e modernizar o atual modelo de investigação.

“Discutimos estratégias a serem adotadas e acreditamos que vamos conseguir a implantação desse projeto que só vem a valorizar os policiais civis. O cargo único tem sido discutido em todo Brasil, tanto na Polícia civil como na Polícia Federal. É uma modernização essencial”, completou, Mileip.

Para o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal, essa integração sindical é fundamental.

“É muito importante a interação da representação sindical dos policiais civis tanto em nível estadual e federal para discutir as diferenças, as demandas e todos os problemas que envolvam a polícia judiciária no Brasil. É essencial que os policiais tomem conhecimento do caos que se encontra a polícia civil brasileira, para buscar soluções a fim de se alcançar um polícia civil eficaz, cidadã, valorizada e reconhecida”, disse.

 

JUNTOS SOMOS FORTES, UNIDOS SOMOS IMBATÍVEIS